sexta-feira, agosto 24, 2007

BORDA




Carmen Fossari


OCLUSA DE EU,
NO TEMPO SILENTE, SIBILANTE
FALAM AOS VENTOS MAIS QUE PALAVRAS
OS MAPAS ENCONTRADOS, DOS RIOS
NAVEGÁVEIS, DAS TEMPESTADES CRUZADAS
DAS BÚSSOLAS GERMINANDO TRIGAIS DE SOL
E VENTO
DAS CRIANÇAS QUE SE PROLONGAM NA TARDE DA VIDA
DA VIDA QUE É UMA EXPLOSÃO
SE TRANSFORMANDO EM FRACTAIS AROMAS
E NELES BORDADADAS
AO FIO DE PRATA A PALAVRA
SAUDADES

3 comentários:

joão jacinto & poemas disse...

Esta palavra saudade
Sete letras de ternura
Sete letras de ansiedade
E outras tantas de aventura

Esta palavra saudade
A mais bela e a mais pura
Sete letras de verdade
E outras tantas de loucura...

José Carlos Ary dos Santos


Parabéns, pelo belo poema!
bj
jj

carmen fossari disse...

J & J

O incrível José (Ary dos Santos) trazido ao armazém pelo notável João.
O poeta consagrado, o poeta do presente(um presente),pintor da contemporaneidade nas vertentes de ser.
Maravilhoso encontro que
torna meu armazém de secos e molhados a mais fina casa da realeza da poesia
Obrigada João Jacinto

bjs
Carmen

Bruxinhachellot disse...

Um blog bordado por palavras encantadas.

Beijos de Sol e de Lua.