quinta-feira, abril 30, 2009

Quem?



Quem?

Carmen L. Fossari

Tatuo a folha em branco
De todos os silêncios
E escuto a sinfonia
Anacrônica quando
Olho o painel de tintas
Obscuras.
As esculturas em cinzas
Ainda escorrem na labareda
Do último vulcão em lavas
Que te revelastes
Antes que eu soubesse tua verdadeira face
De jasmins, cravos e gaivotas, que a saber te pensava eu
Olho em minhas mãos a máscara do cordeiro
E sob ela o uivo de quem ladra
Sob a lua cheia , com o se fosses uma matilha
Escrevo a primeira palavra arada
Que sonoramente me aproxima
A inspiração:fragilidade, então escuto
As ranhuras do espelho que se rompe
Estes pedaços caídos sob o chão
Refletem cada qual a tua agora
Fragmentada imagem de estares
São turvas , opacas, taciturnas
Mas pertencem a ti :quem desconheço.

4 comentários:

Yara disse...

Muito lindo!
Beijos

CARMEN FOSSARI disse...

OI Yara

Obrigada,
bjs

Henrique º disse...

Minha amiga Carmen!!!! Você é demais com as palavras uma transformação de letrasem música. Seu fã.

CARMEN FOSSARI disse...

MEU AMIGO HENRIQUE
Fico feliz que tenhas retirado aquele olhar de angulação exata da tua arte fotográfica e digital e tenhas vindo ao Armazém, ler-me um pouco,as palavras que me exponho entre ser, sonhos e esplhos quebrados...só a alma é inquebrantável e com ela todos os sonhos que felizmente são férteis.
Ipsis literis sua fã ..
bjs
Carmen