sábado, abril 12, 2008

MARÉ(U)S



MARÉ(U)S

carmen l. fossari


I

AS TRATATIVAS DO SABER-ME
QUEM ESTOU
ONTEM FUI
EU AMANHÃ ...

O DESEJO DO AGORA PLASMA
A TECER REALIDADES.
SONHOS CONSTRUÍDOS
EM CATEDRAIS DE VENTO
E ARGAMASSA DE DESEJOS.
A OUTRA MARGEM,
ALÍ O AMANHÃ ME ENCONTRA.
AO RIO QUE ATRAVESSO
NA BEIRA DO LEITO DE ÁGUAS
PERMANEÇO.

II

AQUÍFERA TU BEBES
EM MIM TUA SEDE
HOMEM EM AMOR
ARGUTAMENTE
OFERTAS
TODAS AS BÚSSOLAS
DE ENCONTRAR-ME
E EM SEGREDO SILENCIOSO
RECOLHES OS FRAGMENTOS
DE MEUS EUS VOLÁTEIS

III

O ENCONTRO
DOS MEUS DESENCONTROS
SOL
SOIS
FUSÃO .
REBORDO A LIBERDADE
ENCADEADA AO AMOROSO
SER QUE ME TRANSFORMO
A REFERENCIA NUA
APONTA O ESTRELAR MAPA
DE VÕOS
PLASMO DE ARTESANIAS
O FAZER DAS LINGUAGENS QUE
INTERPONHO,

RECRIANDO-AS
IMITANDO-ME E DESTRUINDO-ME
MACERANDO ESTE NUNCA
TOCAR MAIS QUE NA BORDA DE MEU
SONHO;

ESTE ESTAR QUE É ANDATINO
ESTE SER DE QUERER TER
AO MENOS
A ETERNIDADE NA PALMA DA MÃO

IV

VIAJANTE, SEM BILHETE QUE ME GARANTA
VER TODOS OS DIAS DA JANELA O POR DO SOL,
CARREGO EM UMA MALA ETIQUETADA
A DETERMINAÇÃO
DE PARAR
NAS ESTAÇÕES DE TODOS
OS AMANEHECERES.

EUS EM VIAGENS
DE MAPAS INESPERADOS
ÁGUA TRANSBORDANDO AO LEITO DO VIVER
RETORNO DE SER E ESTAR
À MANSIDÃO DO OCASO,
QUANDO TE REENCONTRO
NA ESTAÇÃO DO OUTONO
E TRAZES NO OLHAR
DAS VIAGENS TUAS,
TODAS AS RESPOSTAS
DO ESTRELAR CÉU
QUE PUPILAM
DE TI.
METAMORFOSE
AS AGUAS DO RIO
BALBUCIAM A VIDA
ESCORRENDO AO LEITO
ONDE TU ME CARREGAS
MARÉS
AO MAR DE TODOS OS MEUS EUS
TEUS

3 comentários:

Sandra Fonseca disse...

"ESTE ESTAR QUE É ANDATINO
ESTE SER DE QUERER TER
AO MENOS
A ETERNIDADE NA PALMA DA MÃO"...
Mágico! lindíssimo!
Poesia genuína, singular a sua.
Um abraço.

carmen fossari disse...

Olá SANDRA!
agradeço sua vinda ao Armazem e seu comentário, este retorno é que semeia a vontade de continuar a escrever.
Beijim
carmen

Salar disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.