domingo, maio 27, 2007

ARTE E PODER

ARTE E PODER

Por Carmen Fossari

Arte a matéria que amalgama a alma
A alma que se espraia em corpos que
Prolongam a linguagem
Que os revelam.

Arte, todo ofício
E saber humano
Cabe na palavra arte.

Conjugarei a palavra Arte
Como um verbo, inda que seja
Substantivo abstrato.

Verbo transitivo direto: Arte
Quando o mundo das sensações
Aflora o universo no rio das emoções Sejam elas reais, ou imaginárias,
Sejam elas aquelas que queremos
Esquecer por que trazem dor
Sejam as outras que queremos avivar
Para que a vida esteja plena
Em um segundo ,como um espelho
Que reflete na linguagem
Um ser ao outro ser.


Verbo transitivo indireto
Em toda a referencia do outro ser
Em nossa vida, amo em mim o que está no outro
Choro de mim o que a vida fez perder
Extasio-me na arte que me congrega
Num outro tempo, outra dimensão,
Que não este do individual,
Mas do outro do encontro
Ou do meu eu plasmando ao eterno
E plenitude e gozo de estar em mim
Na referência do outro.

O artista tem o poder de
Recriar a vida em matéria, em barro, texturas, imagens,
Musica representações de outros seres e no movimento.
O artista tem o poder de tudo poder criar em linguagens
E até de destruir as linguagens.


O poder de humano ser é ferreamente oposto
Ao poder do ter, ou do poder por querer ser em si
Todos os outros seres.
As neuroses humanas nas frustrações das posses
Sejam pessoais ou materiais são um universo amplo
Tão amplo como o rio em que navega a humanidade.

O ter poder é diferente de poder ser ,
Anula as pequenas variações do ser
E fazem a diferença, e em casos mais amplos,
Contagiam aos ecônomos, políticos.
E mesmo alguns artistas que assim o deixam de ser
Em essência livres, para usufruírem seus momentos e sensações diante da vida.
O usufruir da vida , em extase prazeroso do ser.
O ser que se movimenta em outros seres, sendo o mesmo.

O poder pelo poder da posse, é um veneno a alma humana.
Que há de ser livre para voar, como os pássaros.
E, há de poder em processo redescobrir e se reinventar,
Que a vida corra entre as correntezas da criatividade, atalho que possibilita ser a si mesmo e aos outros em si, na cosmologia do amor.

O poder não é amor
Poder amar é abdicar
Ao desejo da posse
Tarefa difícil, para nós vãs mortais.
Fica a rua onde o amor pode ser compartido
Na asa da arte e da liberdade do ser.
Então ter amor será o único poder permitido.
E o rio segue seu curso e claro salva-se a Arte
De todos os males. Amém!


Ilha 26 de Maio de 2007-05-26
Texto escrito , para a REVISTA DRAMA,com o tema proposto
Pela editoria ARTE E PODER.




2 comentários:

joão jacinto & poemas disse...

Muito bonito e filosófico este seu texto sobre a arte e a vida;
a vida como arte
e a arte da vida!

Criar é uma forma de amar,
de dar e ser possuído.

E Deus
criou o Homem à sua imagem,
para que ele criasse a sua própria vida!

Parabéns, Carmen!

bj,

jj

carmen fossari disse...

João
Quando escreves : CRIAR É UMA FORMA DE AMAR,DE DAR E SER POSSUÍDO

penso nos teus versos, têm eles esta força nascida de tua visceralidade, visceralidade que faz-me ser cativa de seus versos.

Obrigadaaaaaaaaaaaaaaaa , estares aqui é o momento em que lua e sol
abraçam a palavra ainda não nascida, em promessa gestada, da poesia que nascerá amanhã, ao amanhecer.

bjs

carmen