segunda-feira, novembro 06, 2006

FLORESCEMOS

carmenlúciafossari
O amor, entrou na janela
Entreaberta do outono
No dia que postara
A ultima carta
Endereçada a rua Solidão

Tinha andado por muitas ruas
Olhado muitos poentes
E detido o meu olhar no
Obscuro lado esquerdo do céu
Tão repleto de estrelas
Quanto à matizes da rua Solidão
Vizinha de meu ser

Estava assim escrevendo dia a dia
Uma carta derradeira de segredos
Revelando nunca mais caminhar noutra via
Do Encontro,onde nasce calidamente
O Amor, um pequeno atalho,entre avenidas
Cuja vista, não alcança, se o procuras

E plena de solidão entre as pessoas
Descobri, como é triste
O canto que não se alcança
Da cotovia
Que eu não via

Antes de colar o sétimo selo
Uma brisa anunciou-me
Entrando sorrateira
Numa fresta da janela entreaberta
Que os sinos tocam
Escoando este prenuncio
Da aurora a nascer sob meus olhos

Minhas táteis mãos sobre a carta
Encontraram desde minha alma
Tuas tão macias ,de afeto
A tocar-me minha pele
Tecida dos papéis picados

Desta brisa que tocou-nos
Minha carta, já não mais
Derradeira,mudo o endereço
Nesta casa, outras cartas
Escrevemos tão suaves
Bordamos no relógio
Do inverno
No calor de fagulhas
Das nossas sempre unidas mãos
E,
Formamos a
Rosa flor bela
depois da neve,
O rubro
Que avistamos da janela
Nascem de
Vinte pétalas, dos dedos que trançamos
Sublinhando o tempo do
Amor,
E somos como pássaros
Voando, no horizonte
Volteamos um ao outro
Unidas asas
Que nos nascem enquanto o orvalho
Testemunha junto ao dia
Que viu florescer cores e perfumes
Nas flores que saltitam
Quando pousamos
Nos lençóis o nosso vôo
E ali
Acasalamos nossas almas

Noutra rua ,paralela
A nossas vidas
Cruzamentos ,
Na outra avenida
Nossos olhos sentem alcançarem
Da espreita do amor que se fecunda
A esquina da rua eternidade.

Ilha 5/11/2006


2 comentários:

jota disse...

Maravilha! Carmen

Estava indo, quase me perdi.
Felizmente era uma rua sem saída e, tive que voltar.
Viajar é muito bom, principalmente no fim do outono, florescer da primavera.
Já estou sentindo o perfume daquela flôr.
Como não peguei auto-estrada, da cidade não saí.Voltei! Voltei!
Ufa! Quantas ruelas. Ainda bem que o dia raiou pra secar o orvalho sobre tantas cartas. Palavras, voou, borrou, mas o pensamento, . . .o pensamento ainda não parou . . .

BJS

JB

carmen fossari disse...

JOÃO BATISTA
QUE LINDO QUE DE MEU POEMA FIZESTES NASCER UM TEU, ME LEMBREI DE NOSSA VIAGEM COM TEATRO E VC A DECLAMAR TANTO NO CHILE QUANTO NA COLOMBIA,NINGUEM DO GRUPO ACREDITOU,MAS VIMOS.
ESTAMOS COM SAUDADES. beijim