domingo, junho 24, 2007

UMA RESPOSTA, E OUTRO POEMA DO POETA

João Jacinto, ao comentar meu poema abaixo postado, naturalmente escreveu outro poema,tão emocionante que torno-o as vistas,já que virou raiz do arco íris que suas palavras sembram em meu coração.
carmen

DE JOÃO JACINTO

Bebo desta poesia
Saciando a sede
Insaciável,
descanso do voo
que me quer levar à eternidade
e vivo camuflado de ninho
construído no sonho, de ambição,
esperando de asa quebrada
sem me conseguir achar, voando
no beiral de qualquer telhado.

2 comentários:

Anônimo disse...

Achei-me voando no beiral deste telhado e sinto-me feliz!
A asa que ficou ferida, já se propõe ao voo.

bj,

joão jacinto

carmen fossari disse...

O ar rarefeito ao beiral do telhado,testemunha graveto a palavra, tecer noite e dia um ninho poema.Nele o Menino de Montijo aninha-se,ao tempo de sarar a delicada asa do sonho.

Amei. Parabéns


bj

Carmen